PDF: Aumento de gengiva queratinizada em mucosa peri-implantar


A influência do tipo de tecido na dentição natural já está bem documentada na literatura e numerosos artigos demonstram que um tecido espesso é preferencial para resultados cirúrgicos e protéticos ideais.


Neste contexto, estudos atuais são direcionados a explorar se a espessura da mucosa teria implicações similares ao redor dos implantes dentais.



Sobre esse aspecto, não há um consenso na literatura e a relação da espessura da mucosa queratinizada com a saúde dos tecidos peri-implantares ainda se apresenta como um assunto controverso.


Embora no passado diversos autores tenham afirmado não haver relação entre a presença do tecido queratinizado e o sucesso de implantes osseointegrados, estudos mais recentes apontam a espessura deste tecido como um fator influenciador no sucesso dos implantes.

A ausência de gengiva queratinizada adequada também foi associada a maior acúmulo de placa, sangramento à sondagem, inflamação e recessão gengival.


Esses achados sugerem que a espessura da mucosa queratinizada pode determinar a dinâmica futura dos tecidos moles em torno dos implantes dentários.

Este estudo relata um caso clínico em que foi realizada cirurgia de enxerto gengival livre com objetivo de aumentar a faixa da mucosa queratinizada na região de implantes previamente instalados na maxila, para suporte de prótese tipo protocolo.









Dentística