PDF: Divergências de Tratamento do Cisto Dentígero - Revisão Sistemática


Os cistos originam-se de restos epiteliais que, frente a um estímulo de origem química, traumática ou infecciosa, passam a se proliferar.



Como as células epiteliais se nutrem pela difusão do líquido tissular a partir do tecido conjuntivo adjacente, aquelas localizadas centralmente sofrem deficiênciade nutrição e se degeneram. 

Os cistos dentígeros têm origem a partir das células formadoras do órgão do esmalte, em diferentes estágios da sua evolução.

► ARTIGO RECOMENDADO: PDF: Relação diagnóstica entre folículo pericoronário e cisto dentígero


A partir da projeção de um germe dental, proliferam-se e, em vez de desenvolver um dente, ocorre uma degeneração do folículo, originando um cisto. A formação cística ocorre numa fase anterior às células ameloblásticas se diferenciarem em estruturas mineralizadas.


Essa lesão ocorre em qualquer região dos maxilares, sendo mais comum nas proximidades dos terceiros molares inferiores, relacionada com um dente ausente ou ainda com a degeneração do folículo de um germe supranumerário. Entre a segunda e a terceira década da vida, são frequentes, produzindo um aumento de volume local assintomático.