PDF: Linfangioma de cavidade bucal: relato de caso clínico


O desenvolvimento dos linfangiomas tem sido descrito como resultado do sequestro de porções da origem linfática embriogênica primitiva.



Estas áreas de sequestro nunca encontram uma anastomose eficiente com os canais linfáticos maiores, ocasionando num bloqueio em áreas localizadas nos vasos linfáticos (Balakrishnan, Bailey, 1991).

► Leia também: PDF: Manifestações bucais em pacientes portadores de Diabetes Mellitus: uma revisão sistemática

Os linfangiomas provavelmente representam proliferações benignas envolvendo o sistema linfático (Smith et al., 1996). São considerados mais como lesões congênitas do que como neoplasmas (Regezi, Sciubba, 1991). São lesões hamartomatosas dos vasos linfáticos onde aproximadamente 75% dos linfangiomas ocorrem na região da cabeça e do pescoço (Neville et al., 2004). 

Muitos linfangiomas estão presentes no nascimento e aproximadamente 80% a 90% desenvolvem-se por volta dos dois anos de idade (Fung et al., 1998; Osborne et al., 1991; Neville et al., 2004), sendo a ocorrência em adultos pouco frequente (Wiggs, Sismanis, 1994).

O pescoço é o sítio mais comumente envolvido (Wiggs, Sismanis, 1994), sendo o terço posterior acometido com maior frequência que o anterior (Schefter et al., 1985; Neville et al., 2004). Quando ocorrem neste local são denominados higroma cístico, higroma cervical e linfangioma cavernoso, os quais causam tumefação difusa nos tecidos moles, podendo ameaçar a vida do paciente por envolver estruturas vitais no pescoço (Regezi, Sciubba, 1991).